Câmara: Jean Pirola destaca atuação da CCJ após novo regimento

Publicidade
Utilidade pública

O vereador Jean Pirola esteve no Jornal da Diplomata na manhã desta sexta-feira, 7, para comentar sobre o trabalho na presidência da Comissão de Constituição, Legislação e Redação.

Comissão formada pelos seguintes vereadores:

Presidente: Jean Daniel dos Santos Pirola (PP)

Vice-presidente: Marcos Deichmann (PATR)

Membro: André Rezini (PPS)

Suplente 1: Ivan Roberto Martins (PSD)

Suplente 2: Gerson Luís Morelli (PSB) 

“Após a presidência da casa seja o cargo mais almejado dentro da câmara”, considerou Pirola.

O vereador destaca que uma mudança no regimento interno trouxe a partir de 2017 uma nova atribuição à comissão. Projetos podem ser arquivados diretamente pela pasta sem haver necessidade de deliberação no plenário, desde que seja uma decisão unanime – de todos os membros. O sistema segue o rito praticado na CCJ da Câmara dos Deputados. Anteriormente, mesmo com a rejeição ou parecer contrário da comissão, a matéria entrava em discussão.

“Uma responsabilidade a mais para a CCJ”, frisou Pirola.

O filtro feito pela CCJ obedece a critérios técnicos básicos para averiguar a constitucionalidades dos projetos apresentados, seja do vindo do próprio legislativo (por meio da proposição de algum vereador) ou do Poder Executivo (Prefeitura).

Câmara: Jean Pirola destaca atuação da CCJ após novo regimento
Vereador Jean Pirola em entrevista no Jornal da Diplomata

Um caso de destaque foi o projeto que visava proibir fogos de artifícios como barulho.

“Muitas vezes os projetos que tem problemas de legalidade insanável a gente já extingue na própria comissão; um caso famoso foi o projeto que visava proibir fogos de artifícios com ruído – houve uma discussão muito grande e verificamos que era inconstitucional pela legislação federal”, explicou Pirola.

Embora, o parecer da comissão nem sempre é arbitrário para derrubada de projetos, explicou Pirola.

“Se encaminha o projeto para o plenário para que seja decidido se mesmo com a questão da inconstitucionalidade seja viável para o município”, disse. O projeto em torno da instalação de frauldarios em espaços públicos e privados foi um exemplo citado.

Acompanhe a entrevista, realizada por Sergio Ferreira.

Entrevista

Publicidade
Últimas notícias

Assinada ordem de serviço para obra na Ponte Prefeito Antônio Heil (ponte do Guarani)

Empresa contratada pelo município tem prazo de 90 dias para executar os trabalhos Em ato realizado no Gabinete do Prefeito,...
Publicidade
WhatsApp chat