Empresário sofre condenação por adquirir arma e munições sem a devida regularização

Outras notícias da semana

Policial militar é vítima de injúria racial durante atendimento de ocorrência

Na quinta-feira, 18, por volta das 16h32, a Polícia Militar (PM) em Brusque, atendeu uma ocorrência de ameaça, na rua Ernesto Contesini, no bairro...

Justiça reconhece que Luciano Hang não realizou prática abusiva em favor de Ari Vequi

A Juíza Eleitoral, Clarice Ana Lanzarini, julgou improcedente a Ação de Investigação Judicial Eleitoral apresentada pelas coligações de Paulo Eccel (PT) e Ciro Roza...

Acadêmicos de Medicina da UNIFEBE são vacinados para atuar nas Unidades Básicas de Saúde

Desde a primeira fase do curso de Medicina do Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE), os acadêmicos vivenciam a profissão na prática, por meio da...

Brusque apresenta nova marca e novo uniforme para a temporada de 2021

Em evento realizado na noite desta segunda-feira (22), no Centro Administrativo da Havan, o Brusque FC anunciou a sua marca própria que se chama...

O juiz Edemar Leopoldo Schlösser, titular da Vara Criminal da comarca de Brusque, condenou um empresário por porte ilegal de arma de fogo. Segundo denúncia do Ministério Público, o homem foi preso em flagrante após denúncia de compra de uma arma calibre .38 em um bar localizado em cidade do Vale do Itajaí.

Ao chegar ao local, os policiais militares encontraram o revólver e 20 munições no interior do veículo do acusado. Na ocasião, segundo consta nos autos, ele relatou ter adquirido a arma de forma parcelada, pelo valor de R$ 1,1 mil, para efetuar “tiros esportivos”.

No depoimento em juízo, o acusado informou ter outras armas de fogo registradas, o que denota, segundo o magistrado, que ele tinha pleno conhecimento de que os artefatos bélicos que portava necessitavam da devida regulamentação.

“Denota-se que o acusado possuía higidez e capacidade suficiente para conhecer a ilicitude da conduta perpetrada, além de ser de conhecimento e amplamente divulgado que para portar arma de fogo e munições é necessário o registro. Aliás, falta de aparelhamento estatal não justifica que um cidadão adquira uma arma de fogo e munições, sob o argumento de que não tem conhecimento dos seus direitos e deveres”, cita o juiz em sua decisão.

O empresário foi condenado a dois anos de reclusão, em regime inicial aberto, e teve a pena substituída por uma restritiva de direitos (prestação pecuniária) e multa. O homem poderá recorrer da decisão em liberdade.

Últimas postagens

Interligado – sorteio de 25 de fevereiro.

Torre de Chope do Sombreiro Choperia. De terça a sábado a partir das 18h, novo ambiente com um super cardápio e chope sempre gelado....

Tilemassa contrata

Tilemassa Argamassas Técnicas contrata pessoa para o marketing interno (prospecção de novos clientes) e vendedor externo. Oferece: salário fixo mais comissão, despesas de almoço e...

Nota do Secretário de Estado da Saúde reconhece “colapso” e municípios são orientados para reforçar medidas

Em nota oficial, o Secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, reconhece que a “situação da pandemia deteriorou no Estado todo e, a...

Posse da nova diretoria da AMPEBr ocorreu na noite de quarta-feira, 24

A Associação das Micro e Pequenas Empresas de Brusque e região (AmpeBr) realizou na noite desta quarta-feira (24), a posse de sua nova Diretoria...
Publicidade
WhatsApp chat