Confira o boletim epidemiológico da dengue desta terça-feira (08)

Outras notícias da semana

Manhã de sábado tem ocorrências de deslizamentos e alagamento por conta das chuvas

A manhã deste sábado começou com muito trabalho entre Brusque e Guabiruba por conta do acúmulo de água das últimas horas e semanas. Logo...

Dois homens são presos por tráfico de drogas no Centro

A Polícia Civil prendeu dois homens por crime de tráfico de drogas. A ação foi realizada nesta segunda-feira, 26, na rua Pedro Werner, no...

Obras da rua Prefeito Carlos Boos, no Aymoré, devem iniciar na próxima semana

A partir da próxima semana, conforme as condições climáticas, as obras da principal via do bairro Aymoré devem iniciar. A previsão de início dos...

Brusque FC não renova com João Carlos, Ronaell, Gustavo Henrique, Eliomar e Emerson Martins

Quatro jogadores deixaram o elenco do Brusque FC nesta quarta-feira, 20. Os laterais, João Carlos e Ronaell, os meias Gustavo Henrique e Eliomar e...

Desde o início do ano, Brusque já registrou 1.265 focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. O bairro Santa Rita segue com maior número, 156; seguido pelo Centro, com 131, Santa Terezinha, 99 e São Luiz, 88. Quanto ao número de casos de dengue, são 44 confirmados, sendo 28 autóctones, ou seja, contraídos no próprio município de Brusque.

O número de focos é mais que o dobro registrado ao longo do ano passado, quando foram contabilizados 602 focos do mosquito. “Este aumento nos preocupa, pois somente com todos atentos e engajados em não deixar água parada e lixo acumulado conseguiremos diminuir estes números”, explica a coordenadora do Programa de Combate a Endemias, Letícia Figueredo.

No mês de novembro o programa realizou o Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa), um método de amostragem que tem como objetivo o conhecimento de indicadores entomológicos de forma rápida. Ao todo foram encontrados 14 focos, um em caixa d’água, sete em pequenos depósitos, dois em pneus, dois em lixo e outros dois em depósitos naturais. Durante a realização do LIRAa as atividades como armadilhas e pontos estratégicos são paralisados, mantendo apenas o tratamento em área infestada e o próprio Liraa.

“Com as chuvas a atenção das pessoas deve ser redobrada, evitar recipientes que acumulem água, limpar as calhas e verificar os locais de difícil acesso”, enfatiza Letícia. Para dúvidas e denúncias basta entrar em contato pelo telefone do Programa de Combate a Endemias, 47 3110-1017.

Últimas postagens

Endorfina – sorteio de 27 de janeiro.

Kit Graf Livraria com Caderno + canetas + Livro. Pra aulas 2021...

Ocorrência de esfaqueamento movimenta a segurança pública no bairro Poço Fundo

Por volta das 17h40 de terça-feira (26), o Corpo de Bombeiros atendeu uma ocorrência de agressão por arma branca (faca), no bairro Poço Fundo. A...

Curso de MBA em Gestão da Cadeia Têxtil da UNIFEBE é destaque no Jornal da Diplomata

A Unifebe está com inscrições abertas para o curso de pós-graduação MBA em Gestão da Cadeia Têxtil. Na manhã desta quarta-feira, 17, o coordenador...

Bombeiros atendem colisão de carro em poste, no bairro Santa Luzia

O Corpo de Bombeiros foi acionado pouco antes das 20h30 de terça-feira (26), para um acidente de trânsito na rua Augusto Klapoth, bairro Santa...

Obituário de quarta-feira, 27 de janeiro

SC Funerária - Faleceu às 15h15 de terça-feira, 26, Salete Batista Fagundes, 72 anos, que morava no bairro Santa Luzia. Corpo velado na capela...
Publicidade
WhatsApp chat