Diretores do Hospital Azambuja comentam avanços com projetos da UTI, Hemodinâmica e no enfrentamento à pandemia

Outras notícias da semana

O novo Diretor Clínico, Fabricio Capello Brasil e o vice-diretor administrativo, Gilberto Bastiani, do Hospital Azambuja, estiveram no Jornal da Diplomata.

O médico anestesista, Fabricio Capello, assumiu, neste mês de janeiro, a Direção Clínica do Hospital Arquidiocesano Cônsul Carlos Renaux.

Fabrício destacou que os desafios da pandemia serão superados.

“A nível mundial a ciência foi trazendo novos horizontes, através da vacina que já está se tornando realidade; com a evolução da pandemia tivemos o receio e o medo, apesar de os números ainda estarem altos, penso estamos desbravando cenário melhor”, frisou.

Com a chegada do primeiro lote da Coronavac em Brusque, cerca de 180 funcionários do hospital, que atuam na linha de frente contra a Covid-19 foram vacinados. Nesta semana o plano de vacinação deve imunizar o restante da equipe.

De acordo com Gilberto Bastiani, a indicação de Capello dá sequência entre o setor administrativo com o corpo médico, com a saída de Dr. Osvaldo Quirino de Souza (que assumiu a Secretaria Municipal de Saúde) e pela presença de Capello junto à equipe na tomada de decisões na qualidade de até então vice-Diretor Clínico.

“Dr, Fabrício sempre foi parceiro da administração, temos um contato bem próximo com a equipe clínica; temos o conhecimento administrativo, mas os médicos nos ajudam a crescer na infraestrutura e no atendimento”, destacou Bastiani.

Sobre os investimentos para melhoria no atendimento, Capello e Bastiani comentaram sobre os planejamentos para expansão de novos serviços, como a UTI Neonatal e o setor de hemodinâmica.

Sobre a UTI para recém-nascidos, Gilberto destacou que o setor apresenta uma grande demanda que necessita da estrutura. Em muitos casos, pela falta de leitos, é necessária a transferência dos bebes para cidades distantes.

A UTI Neonatal será construída com base numa emenda parlamentar do ex-deputado Serafim Venzon, no valor de R$ 2,7 milhões, referente ao ano de 2018 e de último ano do mandato estadual.

““Começamos a adquirir os equipamentos e acreditamos que até julho a gente deve estar com a estrutura pronta”, esclareceu Gilberto. O projeto contempla dez leitos para atendimento via SUS, convênio e particular.

Sobre o projeto da hemodinâmica o processo está na fase final. A expectativa do hospital é de que a partir da segunda quinzena de março o setor será colocado em funcionamento.

“Esses novos serviços vão melhorar muito a qualidade atendimento à população, principalmente para casos graves de gestão, prematuros e outras patologias. A hemodinâmica também permite vários tratamentos para infartos, AVC, problemas vasculares – pacientes que hoje a gente já atende e que será com uma qualidade ainda maior”, esclareceu Capello.

Acompanhe a íntegra a entrevista.

Últimas postagens

Publicidade
WhatsApp chat