Luís Fernando “Motorzinho” fala sobre paixão por travessias em mar aberto

Publicidade
Utilidade pública

Luís Fernando Farias, o Motorzinho, falou ao Jornal da Diplomata sobre os objetivos na carreira como atleta. Aos 16 anos, Luís vive grande fase na natação em mar aberto. Recentemente, se tornou o nadador sul-brasileiro mais jovem a completar a ultramaratona de 27km, no Desafio dos Mares. Também foi vice-campeão geral no Circuito de Travessias Águas Abertas, disputado em Ibiúna-SP, pela categoria Elite.

Praticando natação desde os nove anos, Luís Fernando, por orientação médica em função de um quadro de bronquite-asmática, o jovem descobriu paixão pelo esporte e chegou a integrar a equipe brusquense.

“Sempre gostei, desde pequeno ia para o mar, não tive medo, queria aprender”.

Na piscina, Luís Fernando começou forte no nado Crow, ganhando medalhas individual e revezamento.

A transição da piscina para o mar se deu forma experimental, durante uma sessão de treinamentos, para aperfeiçoar o nado. A primeira prova foi na Praia Central de Bombinhas, que conforme Luís Fernando, é a melhor para adaptação para quem pretende iniciar travessias.

“Nadei e gostei muito, mas tinha ainda o foco na piscina, porém logo peguei o gosto”.

Atleta Luís Fernando, o motorzinho, durante competição em Balneário Camboriú
Atleta Luís Fernando, o motorzinho (Foto/Arquivo Pessoal)

Aos poucos, as travessias foram se tornando a paixão do jovem, que conseguiu evoluir a cada prova, conhecendo mais sobre a mudança de correntes marítimas.

Atleta Luís Fernando após conquistas no circuito paulista (Foto: Divulgação)

“Meu nado sempre encaixou bem no mar, o resto foi experiência o desafio de vencer o medo”.

Sobre os objetivos futuros, Luís tem como meta chegar ao Campeonato Mundial e Olimpíada e se tornar salva-vidas, para manter conciliar trabalho e treino no litoral.

“Quero uma estante cheia de medalhas, já tem bastante, não posso reclamar”, frisou.

Sobre o apoio, Motorzinho destaca o apoio da família e patrocinadores.

“É todo um suporte, família é a base, tenho meu técnico e amigos nadadores que trocamos ideia, pensando nas estratégias, tudo ajuda”, destacou.

Sobre o apelido, surgiu durante os treinamentos.

“Quando comecei a ver já tinha estourado e a acabou ficando”, comentou.

Patrocionadores/Apoio: Luiz tem apoio da Sociedade Esportiva Bandeirante, dos técnicos Alexandre Kirilos, Roder Horner, e das empresas: Kolher Tinturaria, K-16, Milane Geradores, Novas Etiquetas, Paddock, Augusto Fischer Pinturas.

Publicidade
Últimas notícias

Obras de drenagem pluvial deixam várias vias em meia pista neste domingo (23)

Rua Santos Dumont,na Santa Terezinha, rua Luiz Morelli, Dom Joaquim, rua Abraão de Souza e Silva, Volta Grande e...
Publicidade
WhatsApp chat