Brusquense que mora na Itália fala de rotina após coronavírus

Publicidade
Utilidade pública

A brusquense, Priscilla Santos da Silva, que mora na Itália há cinco anos fez um relato ao Jornal da Diplomata sobre o coronavírus na Itália. Priscila, que mora na região conhecida como Costa Amalfitana, comenta sobre a rotina após a constatação dos primeiros casos, que fez com que uma série de medidas fossem seguidas pelos moradores e turistas.

Priscila trabalha como assessoria de turismo e wedding planner, confira o depoimento.

“A gente pensou que fosse uma coisa branda, gripe normal, só que na Itália a população é praticamente idosa e os hospitais tiveram problemas com leitos, principalmente entre os dias 7 e 8 teve um número alto de infectados – mais de dois mil casos de um dia para o outro”, destacou

Priscila relata que o decreto quarentena por parte do governo também envolveu a população para cuidados especiais.

“A gente fica em casa até o dia três de abril e a gente sai de casa por três motivos: uma consulta com o médico, a necessidade de compras (ou farmácia) e para o trabalho, mas o governo sugeriu que tudo mundo trabalhe em casa”, frisou.

“Se caso a gente sair sem nenhum motivo o policial pode abordar e perguntar o que estamos fazendo”, complementou.

“Tenho certeza que foi uma grande decisão, a China fez isso, os EUA também, logo isso vai passar para que tudo volte ao normal”, concluiu Priscila.

Priscila é responsável pelo projeto Estudante Nômade – voltado para intercâmbio e recentemente esteve em Brusque realizando palestra sobre o trabalho.

Visão da Costa Amalfitana, Sul da Itália
Visão da Costa Amalfitana, Sul da Itália

Publicidade
Últimas notícias

55ª Pronegócio termina com metas de negociações atingidas

Uma semana inteira de negociações com resultados expressivos. Chegou ao fim nesta sexta-feira, 18 de junho, a 55ª Pronegócio...
Publicidade
WhatsApp chat