População pode contribuir com a criação do maior arquivo histórico da indústria têxtil catarinense

Interessados podem doar documentos, fotografias e artefatos têxteis

Publicidade
Utilidade pública

Criado pelo Centro Universitário de Brusque (UNIFEBE), o maior arquivo Histórico da Indústria Têxtil Catarinense começa a ganhar forma. Antigos funcionários, familiares e interessados podem contribuir com doações de documentos, fotografias e artefatos têxteis das indústrias centenárias da região.

Os materiais doados pela comunidade serão inventariados, digitalizados e ficarão virtualmente disponíveis para pesquisa no portal da Biblioteca Padre Orlando Maria Murphy. Os interessados em fazer a doação podem encaminhar um e-mail para arquivohistorico@unifebe.edu.br.

Informações, tais como: nome do objeto ou documento, descrição, dimensões, detalhamento sobre o estado de conservação, a quem pertenceu e quem fez a doação, serão alguns dos dados que estão disponíveis para quem quiser conhecer a história da indústria têxtil catarinense. Basta acessar o site unifebe.edu.br, selecionar o menu Vida no Campus/Biblioteca e no botão consulta ao acervo, pesquisar por palavras-chave que se referem ao objeto a ser estudado.

Até o momento, parte das fotografias, documentos e artefatos têxteis das indústrias centenárias já foram digitalizados e estão disponíveis virtualmente no Pergamum, um sistema integrado de bibliotecas. Com todos os registros cadastrados no Pergamum, o Arquivo Histórico da Indústria Têxtil Catarinense estará na maior rede de bibliotecas do Brasil.

Para disponibilizar os arquivos históricos, estão sendo treinados três profissionais da UNIFEBE, uma historiadora e duas estudantes bolsistas de pesquisa do Artigo 171 do Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina (Uniedu). A comissão formada pela instituição será responsável por fazer o inventário, recuperação, digitalização e catalogação dos materiais.

A coordenadora do projeto, doutora em História e Pró-reitora de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura, professora Edineia Pereira da Silva, lembra que diferente de um museu, um arquivo histórico é destinado, exclusivamente, a estudo e pesquisa. “O objetivo do arquivo é servir de base para estudos e pesquisas sobre a indústria têxtil catarinense. É nesse sentido que estamos preparando uma estrutura para que a UNIFEBE seja a maior fonte de pesquisa da história têxtil da região”, salienta Edineia.

Além de o acervo da família Renaux, cedido pelo representante Vitor Renaux Hering, por meio de um Convênio Cultural, firmado em 28 de julho de 2017, o Arquivo Histórico da Indústria Têxtil Catarinense contará com materiais do Centro de Documentação Oral e Memória (CEDOM), do Laboratório de História e da Modateca, que possui vestimentas da década de 1940, da senhora Lya Vianna Hoffmann. O objetivo é que a UNIFEBE obtenha também as obras raras das indústrias Buettner, Schlösser e de outras empresas da região.

“Apesar de o processo moroso e cuidadoso, dispor desse arquivo histórico é uma forma que encontramos de devolver à comunidade os registros de sua própria história. A UNIFEBE se sente lisonjeada em deter o maior acervo de documentos das indústrias têxteis de Santa Catarina”, finaliza a reitora da UNIFEBE e idealizadora do Arquivo Histórico, professora Rosemari Glatz.

Publicidade
Últimas notícias

Secretário Jucemar dos Santos fala sobre programa Desenvolvimento Social em Ação

A prefeitura de Brusque, por meio da secretaria de Desenvolvimento Social, realiza neste sábado (25) o "Desenvolvimento Social em...
Publicidade
WhatsApp chat