Samae e Fundema verificam denúncias em área rural no Zantão

Conforme o diretor-presidente do Samae, atividades no local estão colocando em risco o tratamento de água na ETA Zantão

Publicidade
Utilidade pública

Durante a manhã desta terça-feira, 16 de fevereiro, o diretor-presidente do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Brusque, Luciano Camargo; e a superintendente da Fundação Municipal de Meio Ambiente (Fundema), Ana Helena Boos; se deslocaram até uma propriedade rural próxima da Estação de Tratamento de Água (ETA) do bairro Zantão.

No local, desde a última semana estão ocorrendo denúncias de supressão de vegetação em Área de Preservação Permanente (APP) e, também, de atividades que colocam em risco o manancial existente na propriedade. Este mesmo curso de água, inclusive, é responsável por abastecer toda a ETA Zantão.

Conforme Camargo, uma estrada de barro vem sendo aberta por máquinas pesadas nos últimos dias, sem qualquer tipo de projeto ou licença. O diretor-presidente afirma que os resíduos como barro, troncos e vegetações estão sendo descartados às margens da nascente.

“Se cai uma chuva um pouco mais forte, essa lama que foi resultado dessas intervenções pode parar toda dentro da nascente. Existe o risco de termos que parar o tratamento por dias se algo não for feito”, ressalta.

Agora, a Comissão Gestora de Meio Ambiente do Samae (Cogemas) ficará responsável pela produção de um laudo que será encaminhado à Fundema ainda nesta semana. O documento irá embasar possíveis tomadas de decisão, como a notificação e ou autuação dos proprietários do imóvel, além do embargo dos serviços que estão ocorrendo no local.

Além disso, o setor jurídico da autarquia também já trabalha em uma notificação ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) acerca do fato.

Publicidade
Últimas notícias

Novo posicionamento institucional marca 52 anos da Ammvi

Na próxima segunda-feira, 2 de agosto, data em que a Associação dos Municípios do Médio Vale do Itajaí (Ammvi)...
Publicidade
WhatsApp chat