Publicidade

Liminar busca reverter critérios adotados pela Prefeitura de Brusque, para evitar “fura-fila” e garantir prioridade de vacinação em idosos acima de 60 anos

Outras notícias da semana

Um pedido de liminar urgente foi protocolado na Vara da Fazenda Pública da Comarca de Brusque, com a finalidade de promover mudanças nos critérios de vacinação adotados pelo governo municipal.

Entre as medidas solicitadas, busca “suspender a vacinação dos profissionais de saúde e estudantes de medicina que ocorrerá entre os dias 1º à 5 de abril de 2021 e garantir que a vacinação de tais profissionais e estudantes, que não estejam na linha de frente do combate a pandemia, sejam realizadas apenas após a vacinação dos idosos de 60 anos ou mais”, cita o documento.

Entre outros requerimentos, a ação popular pede que o Poder Judiciário proceda pela “nulidade do ato administrativo que resulta na vacinação de profissionais de saúde e estudantes de medicina fora da linha de frente do combate a pandemia em detrimento dos idosos acima de 60 anos, os quais são manifestamente reconhecidos como a faixa etária que mais vem sendo atingida pela Covid 19 e que estão mais vulneráveis a sofrerem os sintomas mais graves da Covid 19. Igualmente não resta alternativa se não pugnar pela nulidade do ato administrativo que obriga o prévio cadastramento no sítio eletrônico da Prefeitura para posterior vacinação, em virtude também na manifesta imoralidade”, frisa.

Ainda presente a petição sugere ao município “se abster de exigir o prévio cadastramento em seu sítio eletrônico para que tais idosos possam ser vacinados e, adote outro parâmetro que respeite o princípio da eficiência, moralidade e impessoalidade, como forma mais digna de direito e justiça”, diz.

A ação civil pública requer a intimação e o acompanhamento do Ministério Público.

Argumentações – A peça jurídica leva em conta duas situações que afrontam o princípio da moralidade administrativa e da dignidade da pessoa humana, em razão de prejudicar as pessoas que estão no chamado grupo de risco, bem como, de certa forma, cerceia o direito do cidadão em ser vacinado e devidamente imunizado pela Covid-19.

Primeira situação: conforme a liminar, está sendo divulgado na mídia que, conforme a Secretaria Municipal de Saúde esteja recebendo doses de vacina, direciona uma parcela ao chamado “grupo de risco”, em virtude da faixa etária e uma outra parcela está sendo direcionada a profissionais de saúde e estudantes de medicina.

No entanto, a liminar contesta que no cadastro dos profissionais de saúde não há um campo descritivo para comprovar a atuação na “linha de frente”.

A liminar cita inclusive a polêmica da vacinação para estudantes do primeiro ano do curso de medicina da Unifebe, que teria ferido a recomendação do Ministério da Saúde.

Em outro momento, a ação questiona que “Não faz qualquer sentindo lógico vacinar de forma antecipada profissionais e estudantes que atuam em escritórios e setores administrativos da Secretaria de Saúde e/ou consultórios particulares em detrimento de brusquenses que se encontram em faixa etária elevada ou em grupo de risco”, diz.

Sendo assim, o pedido de liminar entende que os procedimentos adotados “ não possuem amparo constitucional, justamente porque está se buscando legalizar o chamado “fura fila”, o que coloca em risco milhares de cidadãos brusquenses que já poderiam ter sido vacinados”, complementa.

Segunda situação: No campo de argumentação, a ação popular questiona o procedimento adotado pela Prefeitura de Brusque no âmbito do cadastramento eletrônico para vacinação contra a Covid-19.

Segundo o entendimento apresentado “o critério utilizado é irrazoável, imoral e desproporcional, vez que cerceia centenas de idosos que, de alguma forma, não possuam acesso à internet. Diante dessa situação, somada ao fato de que está havendo vacinação antecipada de profissionais da saúde e estudantes que não estão na linha de frente, é flagrante que a campanha de imunização em Brusque poderia estar mais avançada”.

A liminar cita e grifa o anuncio realizado pelo site do governo que “Os idosos que não conseguirem realizar o agendamento nesse momento, devem aguardar a chegada de novas doses. Reforçamos que todos serão vacinados; ao todo a Secretaria de Saúde recebeu 1.400 doses, que contemplará 58% dos idosos dessa faixa etária. “É importante ressaltar que só serão vacinados os idosos que fizerem o agendamento pelo site”, exemplifica.

O pedido de liminar tem como autor Sérgio José Duarte, sendo assinada pelos representantes jurídicos, Cicero e Danilo Visconti e Geraldo Duarte.

O caso segue sob análise no Poder Judiciário.

Últimas postagens

Publicidade
WhatsApp chat