Brusquense integra projeto de futebol feminino em Chapecó, na busca do sonho de ser jogadora profissional

Publicidade
Utilidade pública

A paixão pelo futebol, a magia da bola nos pés, move a jovem brusquense Mariana Schmitz, de 13 anos, que sonha em se tornar jogadora profissional. Em busca do ideal, Mariana está deixando o conforto e segurança da casa dos país para integrar o projeto Adell/Futebol Feminino de Chapecó, desde a última quinta-feira, 3.

Mariana Schmitz sonha em ser jogadora profissional de futebol de campo (Foto: Arquivo Pessoal)

Mariana foi selecionada em seletiva realizada entre os dias 19, 20 e 21 de maio, no Oeste do Estado, que envolveu candidatas de vários estados. Enquanto Mariana busca o sonho, enfrentando a realidade e os desafios, não faltam motivos de orgulho e torcida na terra natal, especialmente dos pais, Juliana e Mário Schmitz e dos professores, Dorimar e Mozer, que conduzem os treinamentos na Escolinha de Futebol do Sport Club Cedrense, no bairro Dom Joaquim.

“O coração fica apertado, mas, temos que dar todo o suporte, ela sempre foi muito dedicada, o futebol pra ela sempre foi uma paixão”, frisou a mãe.

Mariana conta que vive sob a expectativa de novos rumos. No entanto, muito antes da sua ida à Chapecó, a jovem atleta não perdeu o foco das atividades, em detrimento das paralisações que o futebol sofreu por conta da pandemia da Covid-19.

“Estava treinando em casa para manter o físico e quando voltou os treinos eu voltei à escolinha e sabia estaria pronta”, destacou.

Sobre os testes, Mariana comentou que a seletiva foi um muito realização.

Mariana Schmitz foi selecionada para integrar escola de futebol feminino em Chapecó (Foto: Arquivo Pessoal)

“Passou um filme na minha cabeça porque eu treino desde os nove anos de idade com esse objetivo, foi uma mistura de sentimentos, por saber que a dedicação está dando resultado – ouvir o meu nome foi uma alegria imensa”, destacou.

Acompanhe a entrevista com Mariana e a mãe da atleta.

Enquanto Mariana segue seu caminho, os professores Mozer e Dorimar prosseguem na missão do esporte, que além do resultado em campo, visa a formação cidadã, cunhada pelo respeito e perseverança.

Escola de Futebol de Campo do Sport Club Cedrense no bairro Dom Joaquim, no masculino e feminino (Foto: divulgação)

“Temos colhido bastantes frutos e a Mariana é uma menina muito focada, mesmo quando fazíamos um treino a mais. Todo muito só ver o resultado, mas, não vê que ralou muito, não foi sorte, fui muito trabalho”, destacou.

No ano passado, o projeto revelou mais um talento, com a atleta Ana Caroline Tech, que integra o projeto Adell/Chapecó a cerca de um ano e meio. A equipe representou a Chape no campeonato brasileiro de categorias de base.

“Contamos com duas atletas da casa no mesmo clube e vem outras meninas pela frente que vão depostar e representar Brusque no futebol”, frisou Dorimar.

A respeito do funcionamento da escolinha, os trabalhos estão sendo adaptados conforme os protocolos de enfrentamento à Covid-19.

Entrevista com o técnico Dorimar sobre a escola de futebol no Sport Club Cedrense

“A gente sempre tem determinado pelo protocolo, com atividades de maior distanciamento, depois vamos poder participar de torneio, é difícil manter a ansiedade das crianças, mas temos que ter os cuidados”.

Meninas que integram Escola de Futebol do Cedrense, no bairro Dom Joaquim (Foto: divulgação)

A escolinha é voltada para os naipes masculino e feminino, de 5 a 15 anos, com o polo central no Clube Cedrense e uma nova unidade no bairro Paquetá, aberta recentemente, para suprir a demanda. Informações pelo telefone – 9 – 9742 6059.

Iniciação esportiva na escolinha de futebol do Cedrense, no bairro Dom Joaquim (Foto: divulgação)
Publicidade
Últimas notícias

Presidente do comitê gestor do Centro de Inovação fala sobre ações para retomada das obras, em nova licitação

A presidente do comitê gestor de implantação do Centro de Tecnologia e Inovação, reitora Rosemari Glatz, falou ao Jornal...
Publicidade
WhatsApp chat