Primeira gastrectomia total por videolaparoscopia é realizada no Hospital Azambuja

Cirurgia oncológica utilizou torre de vídeo de alta tecnologia, para cura de câncer gástrico. Hospital é o terceiro a adquirir o equipamento em Santa Catarina

Publicidade
Utilidade pública

Aliar alta tecnologia e conhecimento médico em tratamentos e procedimentos cirúrgicos têm sido uma missão contínua do Hospital Azambuja, que realizou mais um procedimento inédito na história da instituição e do próprio município de Brusque: a realização de uma gastrectomia total por videolaparoscopia.

O procedimento foi realizado pelos cirurgiões do aparelho digestivo Fábio Medaglia Filho e Lucas Pensin, e pelo anestesista Eliel Crema. Trata-se de uma cirurgia de retirada total do estômago do paciente, diagnosticado com câncer gástrico, por videolaparoscopia. Para a realização da cirurgia, a equipe contou com a tecnologia de uma nova torre de vídeo, com tecnologia de captação de imagens por contraste, que utiliza a indocianina verde. “A tecnologia desta torre de vídeo nos possibilitou identificar e localizar os vasos sanguíneos ao redor e os linfonodos, o que facilitou a ressecção e segurança de não haver nenhuma lesão durante o procedimento”, comenta Dr. Fábio.

A cirurgia de retirada total do estômago levou de três a quatro horas e o paciente foi encaminhado direto para o quarto, sem necessidade de internação na UTI e com alta médica em cinco dias. “Pelo tamanho da cirurgia, tivemos um resultado excelente. Começamos com dieta no segundo dia do pós-operatório e uma recuperação rápida, já que realizamos a cirurgia por vídeo, diferente de uma cirurgia aberta. Esse é o avanço da cirurgia por vídeo”, enfatiza.

O médico ressalta ainda, que a torre de vídeo utilizada no procedimento é a terceira no estado de Santa Catarina, o que coloca o Hospital Azambuja na vanguarda, sempre trazendo alta tecnologia e materiais de ponta para realização de cirurgias e tratamentos. “Tivemos a oportunidade de testar esta torre de vídeo em diversas outras cirurgias e a resolução que ela nos permite alcançar, é espetacular”, complementa Dr. Fábio, que realiza cirurgias no Azambuja desde 2015.

Outro ponto positivo destacado pelo médico, foi o investimento realizado pelo hospital na aquisição de novas caixas de pinças cirúrgicas. “Temos materiais de grande qualidade, além de equipamentos de alta tecnologia. Conseguimos trabalhar e evoluir no aperfeiçoamento de técnicas com esses materiais”, revela.

A cirurgia oncológica de gastrectomia foi feita por meio de convênio médico. O Hospital Azambuja não possui alta complexidade para realizar este tipo de procedimento pelo SUS, mas busca por isso. “Hoje o hospital está preparado para realizar esses procedimentos pelo SUS, mas aguardamos a liberação do Ministério da Saúde”, comenta o gestor hospitalar, Gilberto Bastiani.

Importante lembrar que no final de dezembro de 2021, o Azambuja conquistou sua primeira habilitação de alta complexidade para cirurgias bariátricas e agora mantém seu objetivo de abrir as portas em outras áreas, como ortopedia e traumatologia, oncologia, Hemodinâmica e cirurgia cardíaca.

Publicidade
Últimas notícias

Brusque é derrotada pelo Bahia por 2 a 0 no Augusto Bauer

O Brusque FC enfrentou o Bahia na noite desta terça-feira (28), no Augusto Bauer, pela 15ª rodada do Campeonato...
Publicidade
WhatsApp chat