Sentença prolatada em 24 horas é recorde em Unidade da comarca de Brusque

Publicidade
Utilidade pública

Comprometida em oferecer uma prestação jurisdicional célere e adequada aos jurisdicionados, a Vara da Fazenda Pública e Registros Públicos da comarca de Brusque, no Vale do Itajaí, encerrou um processo de registro de nascimento no dia seguinte à distribuição. Na tarde de segunda-feira (10/5), o Ministério Público propôs a Ordem Judicial para Registro de Nascimento e, já na tarde do dia seguinte (11/5), o pedido foi julgado procedente. 

A menina nasceu no dia 30 de abril em um hospital de Brusque e, segundo o Conselho Tutelar de Guabiruba, o cartório de registro civil comunicou a negativa de efetuar o registro da recém-nascida, pois a mãe de apenas 15 anos de idade não tinha responsável legal para acompanhá-la no registro de nascimento de sua filha.

De acordo com a genitora, ela chegou grávida ao Estado com o companheiro, ambos do Espírito Santo, e a vinda de sua responsável legal para Santa Catarina, quase 2 mil quilômetros distante do seu local de moradia, não teria data definida para ocorrer. Após o reconhecimento da paternidade e a escolha do nome, a juíza Iolanda Volkmann determinou que o cartório proceda o registro de nascimento da recém-nascida, e disp​ensou o casal de eventual multa.

Publicidade
Últimas notícias

Polícia Civil recupera televisão e notebook furtados em residência

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Furtos e Roubos de Brusque, recuperou uma televisão e um notebook,...
Publicidade
WhatsApp chat