Dramaturgia de “Paixão e Morte de Um Homem Livre” edição 2022, foi escrito por maior número de pessoas na história do espetáculo

Espetáculo “Paixão e Morte de Um Homem Livre”, será apresentado pela Associação Artística-Cultural São Pedro (AACSP), nos dias 14 e 15 de abril deste ano, no pátio da Comunidade São Cristóvão, no bairro Aymoré, em Guabiruba

Publicidade
Utilidade pública

Cinco pessoas foram responsáveis pela nova dramaturgia do espetáculo “Paixão e Morte de Um Homem Livre”, que será apresentado pela Associação Artística-Cultural São Pedro (AACSP), nos dias 14 e 15 de abril deste ano, no pátio da Comunidade São Cristóvão, no bairro Aymoré, em Guabiruba. A diretora da peça, Rejane Habitzreuter Schlindwein, além de ser responsável pelo texto, também foi quem reuniu os outros integrantes da equipe, formada pela atual superintendente da Fundação Cultural de Guabiruba, Jenifer Schlindwein, o artista guabirubense, Emiliano de Souza, a arte educadora, Jaqueline da Silva e os seminaristas Ricardo Vinter e Djonatan Engelmann. Já o padre Marilton Nuss, atual pároco do município, acompanhou esta produção como orientador espiritual do grupo.

“Recebi o desafio de montar esta equipe e de escrever a nova edição do espetáculo em outubro de 2019. Foram cinco meses de um trabalho leve, divertido e muito inspirador. Conforme o prazo estabelecido, entregamos o material à diretoria da Associação, no dia 1º de março de 2020”, lembra Rejane.
Segundo ela, havia grande expectativa por essa produção, levando em conta que, nas duas últimas edições (2019/2017), os personagens escolhidos para narrar a paixão e morte de Jesus foram Nossa Senhora e o próprio Cristo. “Como alguém poderia contar melhor esta história? Foi um grande desafio, mas estamos satisfeitos com o resultado”, diz Rejane.
Os detalhes desta escolha serão conhecidos no lançamento do espetáculo,

Os escritores

A superintendente da Fundação Cultural de Guabiruba, Jenifer Schlindwein, afirma que a riqueza do material produzido veio de visões e pontos de vistas diferentes, mas com a sinergia de buscar um caminho comum. “Foi uma grande satisfação colaborar dramaturgicamente com uma obra que será encenada por um elenco tão especial, pessoas que realmente se doam pelo teatro durante vários ensaios até a Páscoa. O “Paixão e Morte de Um Homem Livre” encanta quem assiste ou participa, causa emoção e surpresa em cada detalhe. Espero que todos vivenciem momentos de reflexão, sorrisos, adrenalina e paixão por esta história milenar, que sempre vem nos ensinar os exemplos de Jesus” destaca Jenifer.

Já o artista guabirubense, Emiliano Souza, conta que a escrita coletiva desta peça teatral foi uma experiência enriquecedora, significativa e gratificante. “A temática central se repete no espetáculo. Porém, a cada nova edição, procura-se narrar a trajetória de Jesus sob uma ótica diferenciada, com o intuito de aplicar à nossa realidade as mensagens do Mestre. Nossos encontros, ao redor da mesa, foram recheados de boas conversas, reflexões, estudos, pesquisas e partilhas de experiências prévias de espetáculos anteriores. Tudo isso acompanhado de boa vontade, bom humor e um saboroso café com cuca”, detalha.

Segundo ele, algumas cenas eram escritas individualmente, mas melhoradas durante os encontros. “Aos poucos, um texto rico em detalhes, permeado de uma história primorosa e comovente foi sendo elaborado a partir de múltiplas mãos, mentes e corações. Oxalá a mensagem edificante, profunda e atualizada deste espetáculo toque cada espectador de forma vívida e graciosa”, projeta.
A arte educadora Jaqueline da Silva já ministrou oficinas teatrais para os membros voluntários do espetáculo e, agora, pode contribuir também com o enredo do projeto. “Foi intenso e muito desafiador. Recontar uma história que todos conhecem exige expandir a mente e buscar novos horizontes e perspectivas que acrescentam elementos à narrativa. Enquanto estávamos discutindo e elaborando o texto juntamente com a diretora, uma atmosfera de amor e fé se instaurava e todas as ideias fluíam”, descreve.

Para o seminarista Ricardo Vinter, o convite feito por seu formador, padre Marilton, para integrar-se à equipe, foi aceito com gratidão. “Participar da construção deste espetáculo foi uma grande honra, a sensação de ter recebido um voto de confiança. É quase impossível desenvolver algo no teatro de forma impessoal, parte de mim está entremeada nas páginas desenvolvidas. E o meu desejo e oração é para que isso possa ajudar os intérpretes e o público a uma verdadeira experiência mística de encontro com o Ressuscitado”, revela.

O mesmo sentimento é compartilhado pelo seminarista Djonatan Engelmann. “Era como se estivéssemos dentro da cena, no dia da apresentação, pensando em cada detalhe, em cada fala, em cada gesto, em cada personagem. Em todos os encontros pedimos as luzes do Espírito Santo, para que fôssemos apenas canais da graça. Assim, depois de muitos encontros, entre ideias, sugestões e revisões, finalizamos o roteiro. Agora, resta-nos aguardar para ver o resultado completo”, afirma.

Seleção de atores

Neste domingo, 20 de fevereiro, a Associação Artística Cultural São Pedro estará reunida, a partir das 16h, nas dependências do Salão São Cristóvão, no bairro Aymoré, em Guabiruba, para a seleção de elenco da 23ª edição do espetáculo “Paixão e Morte de um Homem Livre”.

No local será obrigatório o uso de máscaras e o distanciamento social. Para facilitar o processo, será disponibilizado um cadastro virtual, no qual as pessoas poderão fazer a escolha de seus personagens pelo aparelho celular. Além disso, uma equipe estará à disposição para ajudar neste preenchimento.

Publicidade
Últimas notícias

Hospital Azambuja alerta nova modalidade de golpe em nome da instituição

O Hospital Azambuja alerta a população de Brusque e região para novas tentativas de golpes, utilizando o nome da...
Publicidade
WhatsApp chat