14.7 C
Brusque
domingo, julho 21, 2024
InícioNotíciasGeralPrograma da Hora destaca o projeto Voz e Elas de apoio à...

Programa da Hora destaca o projeto Voz e Elas de apoio à mulheres e crianças vítimas de violência

Data:

Publicidade

spot_img
spot_img
spot_img

Voz e Elas é um projeto Social voltado ao combate à violência contra a mulher, que nasceu do Paideia Academia, um núcleo de estudos, que conecta mentes curiosas, corações justos e livros inspiradores, que já impactou muitas pessoas em toda a região, seja por meio dos eventos ou através do apoio às vítimas de violência.

O projeto social Voz e Elas tem realizado, ao longo de sua existência, diversas palestras e ações em Brusque sobre violência contra a mulher e crianças nas escolas e empresas de Brusque. Juntos, o grupo de pessoas engajadas na causa tem proporcionado esses encontros de diálogo, conhecimento e divulgação do projeto.

No Programa da Hora desta sexta-feira, 15 de março, estiveram a advogada, juíza leiga e professora Tainá Pedrini, e a acadêmica de Direito e envolvida no projeto, Stephany Santos, para falarem sobre as palestras, que tem levado muitas informação e transformação de consciência sobre o que é violência e ambiente seguro para as mulheres, crianças e adolescentes.

Acompanhe a entrevista na íntegra!

Entrevista completa na íntegra
Stephany e Tainá nos estúdios da Diplomata FM. (Foto: Jornalismo Diplomata FM)

Vale lembrar que as formas de violência previstas pela lei são: física; psicológica; moral; patrimonial e sexual. Por isso, é sempre importante espaços onde profissionais possam explanar sobre o que se tem feito para tentar amenizar o número de mulheres e crianças vítimas da violência, principalmente em nossa região, como é o caso das ações desenvolvida pelo Voz e Elas, que conta com grande número de apoiadores da causa, incluindo empresas, escolas, profissionais e órgãos da segurança pública.

Voz e Elas

O Voz e Elas tem sido um importante aliado na divulgação de informações para essas pessoas, que por ventura possam estar sendo ou conhece alguém que sofre algum tipo de violência. Para a fundadora do Paideia, e consequentemente do Voz e Elas, Tainá Fernanda Pedrini, o projeto do Paideia Academia era um sonho de menina, que se tornou realidade e que, com o tempo, teve tamanha adesão que se transpassou às primeiras expectativas. “Tive adesão de tantas pessoas que hoje se tornou ‘o nosso projeto’. Justamente para trazer outras leituras, acesso à informação, pois precisamos conhecer as coisas para poder ter o censo crítico” enfatizou.

O Paideia esteve engajado, ao longo dos anos, com diversas ações sociais, como apoio a instituições por meio de eventos de arrecadação. Por isso, se transformou em uma ação social. “Vamos atrás para tentar auxiliar de alguma forma. Já fizemos várias campanhas do agasalho, de alimentos, é um projeto itinerante e temos muitas pessoas nos auxiliando”, explicou Tainá.

A partir da amplificação do Paideia, nasceu o Voz e Elas, um projeto que existe para auxiliar no combate à violência contra a mulher e à criança. “Auxiliamos as mulheres nas medidas protetivas, e, indo às escolas realizar palestras e ações de combate à violência contra a mulher, vimos, também, a necessidade de falar sobre o bullying, e por isso incluímos a criança nesse projeto”, destacou a advogada.

Hoje, além de realizar eventos e palestras, o Voz e Elas tem caráter informativo.

Stephany Santos ingressou no projeto Paideia como acadêmica de Direito, e desde então mantem vínculo com todas as ações desenvolvidas no Voz e Elas. Durante a entrevista no Programa da Hora, ela enfatizou seu envolvimento com as causas mais delicadas enfrentadas pela sociedade, que são os casos onde crianças e mulheres são vítimas de violência. “Me vinculei justamente por esse anseio e o sentimento de impotência que temos quando falamos sobre a violência contra a mulher, pois é algo que acontece dentro do próprio lar, por vezes nem temos acesso, mas queremos fazer algo a respeito. Isso porquê os registros que temos, tanto de violência quanto de processos ou até mesmos de casos, são chamados de cifra negra, porque não temos o real número, mas, sim, estimados, pois muitas mulheres não denunciam, seja por medo, ou por estar inserida em um contexto no ambiente familiar, em que não encontra forças para fazer uma denúncia”, lamentou Stephany.

Confira alguns dados apresentados durante a entrevista a respeito de processos ingressados na justiça, sejam eles medida protetiva, violência doméstica e ou feminicídio.

Todas as informações destes e outros casos podem ser acessados no site do Poder Judiciário Catarinense, em dados e relatórios estatísticos referentes a violência contra a Mulher. Acesse Poder Judiciário de Santa Catarina.

Para saber mais e conhecer todas as iniciativas do Paideia e do Voz e Elas, visite suas redes sociais:

Instagram: @VozeElas ou entre em contato pelo seguinte telefone (47) 9 9944-3019, e conheça ou apoie a causa.

Publicidade
WhatsApp chat